domingo, 31 de outubro de 2010

RB Chuí em Operação



Rebocador Chuí auxiliando manobras no Porto de Santos/SP.

Porto de Registro: Rio de Janeiro (Brasil)
Tipo/Classe: Rebocador Azimutal
Comprimento: 24,32 m
Boca: 9,15 m
Calado Máximo: 3,25 m
Porte Bruto: 227.82 t
Velocidade Máxima: 12 nós 
Rebocadores da Mesma Classe, em operação pela Sulnorte:
Aragipe, Caeté, Maraú, Jatobá, Jauá, Oiapoque e Pirambu
Tração Estática: 45 t 
Construção: Estaleiro Santa Cruz, Aracaju/SE - Brasil - Agosto/1987
Armador: Sulnorte Serviços Marítimos - Rio de Janeiro/RJ, Brasil
Fotos:  
(1,2)- Auxiliando a manobra do The Benefactor - Rogério Cordeiro - 22/02/2009
(3)- Auxiliando a manobra do Bow Maasstroom - Gustavo Castro de Sousa - 23/02/2008

sábado, 30 de outubro de 2010

M/V Zhen Hua 23 / VRDA8 - Novos Equipamentos para o Tecon Rio Grande




Na última quarta-feira, o Porto de Rio Grande/RS recebeu 6 novos equipamentos que estão sendo instalados no Tecon Rio Grande. Fabricados na China pela ZhenHua Port Machinery Company (ZPMC), os equipamentos vieram no convés do Heavy Lift Zhen Hua 23 (IMO 8414738, Bandeira Hong Kong), que partiu de Shanghai no começo de setembro com 4 portêiners e 4 transtêiners. No último dia 16/10, o navio escalou Santos para desembarcar 2 portêiners no Armazém 35 da Libra, saindo uma semana depois com destino ao porto gaúcho. O navio fundeou na segunda-feira, e confirmou entrada dois dias depois às 10 da manhã. Auxiliado pelos rebocadores Azimutais Atlas, Taurus, CNL Safira (Saveiros Camuyrano) e Abaís I (Sulnorte), o Zhen Hua 23 finalizou a atracação por volta de 1230 h, sob comando dos práticos riograndinos Antonio, Débora, Reginaldo e Thome. Devido aos cabos de energia que atravessam o canal de entrada do Porto de Rio Grande, para a manobra foram presos a blocos de concreto afundados, balões de gás que determinavam o canal por onde o navio deveria passar, como um sistema de balizamento provisório, que demarcavam o limite de 8 metros de calado, possibilitanto a entrada do navio sem que algum cabo fosse atingido.


Observe os balões de cor laranja determinando o canal provisório


O navio, construído em Outubro de 1986 pelo estaleiro Kasado Dockyard Co. Ltd. (Kudamatsu, Japão) originalmente um navio tanque chamado Rich Duchess, possui 243,85 m de comprimento, 40,04 m de boca e calado máximo de 8,5 m. Foi vendido em 2007 para o atual armador e convertido no mesmo ano, tendo sua bandeira alterada para Hong Kong.




Fotos:  
Zhen Hua 23 - Marcelo Vieira - Rio Grande Shiplovers - 27/10/2010
Rich Duchess - CaptB. (Shipspotting)

M/V Hoang Son Sky / JVAU4 - Mais um de bandeira mongol previsto para Santos


Mais um navio interessante está em Santos. O graneleiro handy size de bandeira da Mongólia Hoang Son Sky chegou à barra nesta madrugada, e está no aguardo da confirmação para sua atracação, que deve ocorrer nos próximos dias. O navio, construído no Japão pelo estaleiro Hitachi Zosen Corp. - Onomichi HS (Innoshima Shipyard), em Innoshima, casco 4769, em março de 1984. O navio, um graneleiro handy size de 5 porões, possui 178,21 m de comprimento, 23,1 m de boca e calado máximo de 10,6 m. Opera com o atual nome desde fevereiro de 2009 e pertence ao Governo do Vietnam, sendo operado pelo armador Hoang Son Co Ltd. (Cong ty Hoang Son), de Thann Hoa City, Vietnam.
De sua classe podemos destacar entre outros, as escalas recentes em Santos dos navios Alam Senang (PSM Perkapalan Sdn. Bhd., Selangor, Malásia), Atlantic Cozumel (PACC Ship Managers Pte. Ltd., Singapura), Ocean Leader (Kirsten Marine SA, Atenas, Grécia) e Mohave Maiden (TBS Shipping Inc. Yonkers, Nova Iorque, EUA).

Bandeira da República Popular da Mongólia

 
O Hoang Son Sky, aqui entrando no Porto de Antuérpia com seu nome anterior Milo

Fotos: Marie-Anne (Antuérpia, Bélgica) - 02/11/2008

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

F. Niterói (F 40) - PWNI - CPSP confirma visitação pública na "Pioneira" para o final de semana


A Capitânia dos Portos do Estados de São Paulo (CPSP), informou que a F. Niterói (F 40) estará aberta a visitação pública nos dias 30 e 31 de outubro das 1400h às 1730h
O navio está atracado no cais da Mortona, entre os armazéns 27 e 29 do Porto de Santos( Região do Bairro do Macuco).




Fotos: Gustavo Castro de Sousa - Santos Shiplovers - 18/10/2007
Mais sobre a Niterói: NGB   

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

M/V Shakhtar / UTWV - Um dos últimos classe Dnepr navegando (Um dos clássicos)

O Shakhtar entrando em Santos dia 27/10/2010.

Foram construídos 47 navios da classe Dnepr, vários deles durante os anos escalaram Santos, entre eles o Christo Botev, Boris Babochkin , Luben Karavelov, Family Anthony, Family Fotini, Saxon Star, Avon, Luric, Rider B, Multidiamond, Captain Wael, Runner B. O casco 2030 foi o penúltimo navio da classe a ser construído.
Aparentemente, restam apenas 5 navios da classe ainda navegando:

IMO
Vessel Name
Built
Operator
Status
8113334
JIN SHUN HAI
1981
Shanghai Puyuan Shipping Co
In Service / Commission
7830959
LADY BANA K
1979
Metkar Shipping & Trading Co
In Service / Commission
8225204
LADY JULIET
1983
Kaalbye Shipping Ukraine KSU
In Service / Commission
8226650
OCEAN PEARL
1983
Prayati Shipping Pvt Ltd
In Casualty Or Repairing
8330334
SHAKHTAR
1984
Donbass
In Service / Commission

IMO: 8330334 
Porto de Registro: Mariupol (Ucrânia)
Construção: Khersonskiy Sudostroitelnyy Zavod, Kherson - União Soviética (Atual Ucrânia) - Casco Nº 2030 - Dezembro/1984

 O penúltimo Dnepr construído atracado em Santos dia 30/09/2010.

 O já demolido Boris Babochkin, aqui visto entrando em Santos - 18/08/2009
 
Fotos: 
(1)- Silvio Roberto Smera - Santos Shiplovers
(2,3)- Rogério Cordeiro

Achernar - CPSP02 / 9126132



A lancha balizadora Achernar - CPSP02 faz parte de uma série de 10 unidades contratadas pela Diretoria de Engenharia Naval junto ao Grupo Wilson Sons S.A., em 28 de dezembro de 1994. O projeto das lanchas é do estaleiro B.V. Scheepswerf Damen (Gorinchem, Holanda), inclusive algumas unidades já estavam em serviço na Alemanha, Equador, Líbia, entre outros, quando o Brasil escolheu realizar a construção delas. Desde sua entrada em serviço em 1995, a Achernar presta serviços de balizamento no Porto de Santos, sendo subordinada a Capitania dos Portos do Estado de São Paulo (CPSP).


Tipo/Classe: Lancha Balizadora / Achernar LB-20
Comprimento: 19,16 m
Boca: 6,56 m
Calado Máximo: 1,50 m
Velocidade Máxima: 10.2 nós
Construção: Wilson Sons S.A., Guarujá/SP - Brasil - Dezembro/1995
Mais Informações: NGB - Achernar
Fotos:
(1) - Gustavo Castro de Sousa - 24/08/2007
(2) - Lauro Frangetto Filho - 08/03/2007

Modelismo Mercante - M/S Nedlloyd Bahrain / PGEH - Plastimodelo Escala 1/400 da Imex






Fotos do modelo "Nedlloyd Bahrein" fabricado pela empresa americana Imex. O modelo relativamente bem detalhado, vem com opção de se montar os 4 navios da classe (Nedlloyd Bahrain, Nedlloyd Baltimore, Nedlloyd Bangkok e Nedlloyd Barcelona).


Todos os navios da classe escalaram Santos na década de 90. Os modelos vêm na cor branca sendo necessário cola, tinta e sprues para uma montagem realística. O modelo da foto pertence ao shiplover Marcelo "Ostra" Lopes (MO).


 


M/V Iran Taleghani / EQPU - A Perda de um Conhecido em Santos

3/4 Proa - Bombordo
Segundo o site de informações marítimas Seasearcher, um navio pertencente a uma classe muito admirada por nós aqui em Santos acabou sendo classificado como total loss. O Iran Taleghani, que escalou diversas vezes nosso porto junto com seus 20 irmãos, acabou encalhando na região de Weihai (República Popular da China), procedente de Singapura onde havia descarregado, e navegava em lastro para carregar no porto chinês de Yantai em Maio de 2009.

 
Design - Iran Dastghayb Class

Rebocadores foram enviados ao local, resgatando-o somente dia 18/01/2010, levando o Afflatus (atual nome) até a barra de Weihai, onde permaneceu até maio. Ventos fortes arrastaram o navio, que encalhou novamente na Ilha Weihai Liu, onte teve seu casco partido em dois. A popa foi removida e rebocada ao Porto de Yantai no mesmo mês, mas o resto do casco ainda está no local. O armador chinês que comprou o navio, pretende remover o resto do casco, mas ainda não decidiu o que fará com ele, soldá-lo à popa e utilizá-lo novamente, ou vender tudo para demolição.  

O Iran Taleghani no fundeadouro nº2 na Barra de Santos.

IMO:8309660
Porto de Registro: Bandar Abbas (Irã)
Atual Nome: Afflatus (Bandeira Hong Kong, Prefixo VREA4)
Tipo/Classe: Graneleiro
Comprimento: 190,00 m
Boca: 30,03 m
Calado Máximo: 11,62 m
Porte Bruto: 43.309 t
Toneladas Brutas: 25.768 t
Velocidade Máxima: 14.00 nós
Construção: Daewoo Shipbuilding & Mar. Engineering, Geoje - Coréia do Sul - Julho/1985
Armador: - Islamic Republic of Iran Shipping Lines (IRISL) - Teerã, Irã
Fotos: José da Silva, Marcelo Lopes - 23/04/2005

Em dezembro de 2005, os Santos Shiplovers produziram o livreto "Iran Dastghayb Class - 43.300 DWT Handy Max Bulker". Se você tem interesse em obter um exemplar, entre em contato conosco, através do e-mail: gustavo.c.sousa@hotmail.com


Essa versão do livreto foi impressa em impressora a laser (preto e branco). Entretanto ela está disponível em arquivos "PDF", com as fotos originais coloridas.

F. Niterói (F 40) - PWNI - Entrando em Santos (27/09 - 1615h)

Foto: Silvio Roberto Smera® - Santos Shiplovers

M/V Katina / J8B3255 - Um classe Prinasa 26/15 de Construção Nacional

3/4 Proa - Boreste

3/4 Popa - Boreste

Atracado/Saindo de Santos no dia 21/10/2006. 

IMO: 7410852
Porto de Registro: Kingstown (São Vicente & Granadinas)
Tipo/Classe: Graneleiro / Prinasa 26/15 Batch I
Comprimento: 173,16 m
Boca: 26,67 m
Calado Máximo: 9,75 m
Porte Bruto: 26.026 t
Toneladas Brutas: 16.591 t
Velocidade Máxima: 15.75 nós
Construção: Cia. de Comércio e Navegação - Mauá (CCN), Niterói/RJ - Brasil - Julho/1980
Armador: Sartija Nautika doo - Sibenik, Croácia
Fotos: Marcelo Lopes

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O Rei dos Mares, Sua Majestade, o AHTS

Um AHTS (Anchor Handling Tug Supply), é uma embarcação polivalente, especializada em operações do tipo offshore, sendo utilizada em operações de manobras de âncoras e no posicionamento de plataformas, reboques oceânicos de grandes estruturas e embarcações (a grande maioria de movimentações oceânicas de plataformas de petróleo e FPSO´s são realizadas pelos AHTS, ao invés de RbAM), socorro e salvamento, combate a incêndios, transporte de suprimentos e cargas múltiplas, tais como equipamentos para perfuração e prospecção de petróleo, tubulações, contêiners, correntes, possuindo ainda tanques específicos para transporte de combustível, água potável, drill water, cimento, barita, betonita, slops, entre outros. Sua presença é notada em todas as regiões onde há prospecção de petróleo no mar.

Acima, o AHTS Geonísio Barroso, bandeira brasileira, classe UT-722.

Em 2008, tivemos a oportunidade de visitar o AHTS Bos Turmalina, bandeira brasileira, afretado à Petrobras, atracado no armazém 27, onde estava embarcando correntes para movimentação de ferros de plataforma petrolíferas. O navio pertence a classe UT-722L (uma versão renovada do UT-722), um projeto concebido em 1998 pela empresa norueguesa Rolls-Royce Marine A/S, e é construído sob licença em diversos estaleiros pelo mundo. O Turmalina é de propriedade do armador Bos Navegação Ltd., sediada em Macaé/RJ, subsidiária da norueguesa Farstad Shipping ASA, Aleesund. O navio se destaca pela automatização, possuindo um passadiço digital com equipamentos de navegação e comunicações de última geração como: Sistema de Posicionamento Dinâmico (DP), GPS Diferencial (DGPS), radares Arpa, cartas náuticas eletrônicas, rádios VHF, fax, telefone, internet e praça de máquinas automatizada.
Quanto as instalações habitáveis, o navio é dotado de camarotes-suítes, (individuais para os oficiais superiores e duplos para demais oficiais e guarnição), refeitório, sala-de-estar (Praça d'Armas), uma pequena mas bem equipada academia para prática de ginástica, enfermaria, além de escritórios de convés e máquinas.

 O AHTS Bos Turmalina, durante escala no Porto de Santos para o embarque de correntes para movimentação de ferros de plataformas petrolíferas.

Quase todas as operações são controladas pelos oficiais de náutica a partir de uma estação localizada a ré do passadiço, de onde é possível ter todo o controle dos equipamentos, guinchos e thrusters do navio. Sendo uma unidade de Posicionamento Dinâmico, é necessário ter uma visão e um controle geral sobre as operações que em geral são delicadas e feitas na proximidade de grandes estruturas e muitas vezes sob condições meteorológicas extremamente adversas. Desta mesma estação também podem ser controlados os ROV (Remotely Operated Underwater Vehicle) ou Veículo Submarino Remotamente
Controlado, embarcados quando o navio realiza operações de apoio submarinas, sendo que em alguns AHTS maiores e mais modernos os ROV fazem parte da dotação de equipamentos orgânicos do navio.
A guarnição padrão de um AHTS é formada por 16 pessoas, no caso do Bos Turmalina são 17:
Comandante (CCB), Imediato (CCB/1ON), 2 Oficiais de Quarto e Convés (1ON e 2ON, Pilotos), Contramestre (CTR), 4 Marinheiros de Convés (MNC), Chefe de Máquinas (OSM/1OM), Subchefe de Máquinas (1OM/2OM), Eletricista (ELT), 3 Marinheiros de Máquinas (MNM), Cozinheiro (CZA) e Taifeiro (TAA). A guarnição trabalha em esquema de 28 x 28 dias, com tripulação fixa (duas tripulações) com troca completa, sempre ocorrendo no Terminal de Macaé/RJ.
Fonte: Podernaval

 Design - UT-722L

 O Yvan Barreto, realizando serviços junto à FPSO Cidade de Vitória.

 Novamente o Turmalina, aqui atracando em Niterói/RJ.

Mais um da classe UT-722L, o Bos Turquesa - Angra dos Reis/RJ

 O Turquesa aqui visto saindo do porto de Rio Grande/RS.

Fotos: César T. Neves, Erik França, Marcelo Lopes e Marcelo Vieira.